sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

No RN, ministro anuncia operações do Plano Nacional de Segurança

Força Nacional vai atuar em conjunto com polícias Civil e Militar. Alexandre de Moraes também anunciou mais recursos para presídios.

Fernanda Zauli e Thyago Macedo Do G1 RN
Ministro da Justiça Alexandre de Moraes apresentou Plano Nacional de Segurança em Natal (Foto: Fernanda Zauli/G1)

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, veio a Natal, nesta quinta-feira (2), e anunciou o início das operações do Plano Nacional de Segurança. No Rio Grande do Norte, as ações operacionais de combate à violência serão desencadeadas a partir de 15 de fevereiro pela Força Nacional em conjunto com as polícias Civil e Militar.

Alexandre de Moraes informou que mais agentes da Força Nacional irão atuar no Rio Grande do Norte. De acordo com ele, o próprio Ministério da Justiça pagará Diária Operacional dos policias militares, policiais civis e peritos criminais que atuarem nas operações do Plano de Segurança.

Essas operações terão como foco inicial operações para cumprimento de mandados de prisão de homicidas, latrocidas e contra o crime organizado, bem como apreensão de armas.

O Plano Nacional de Segurança tem investimentos para a segurança pública e para o sistema penitenciário. O ministro destacou que R$ 45 milhões já foram repassados para os estados, inclusive para o RN, no dia 29 de dezembro.

"O Rio Grande do Norte recebeu esses R$ 45 milhões para investir em construção de presídios e em equipamentos e armamentos. Estamos, a partir de agora, liberando mais um valor significativo para todos os estados. Um valor que chega a R$ 150 milhões para bloqueadores de celulares, R$ 80 milhões para scanners para impedir que entrem instrumentos, armas e drogas nos presídios e mais R$ 78 milhões para tornozeleiras eletrônicas, exatamente para possibilitar que aqueles que não necessitam estar dentro das penitenciárias possam ter uma viabilidade fora monitorado", disse Alexandre de Moraes.

O Plano Nacional de Segurança, de acordo com o ministro, vem sendo elaborado nos últimos oito meses com participação dos secretários de segurança, secretários de Justiça e assuntos penitenciários, procuradores de Justiça, comandantes de Polícia Militar e chefes de Polícia Civil, visando o combate aos homicídios, feminicídios, violência contra a mulher e sistema penitenciário.

"Além dos investimentos, o Plano tem a atividade operacional policial. Os nossos agentes de inteligência estão desde dezembro em Natal, junto com a inteligência da Polícia Civil e Polícia Militar do estado, mapeando as primeiras operações que começarão a ocorrer em 15 de fevereiro. Teremos mais agentes da Força Nacional, sem retirar ninguém dos estados. Policiais militares, policiais Civil e peritos criminais também ganharão diárias como a Força Nacional, o que fortalece a união entre estados e Governo Federal e dá uma condição melhor de trabalho às forças policiais".

Nenhum comentário:

Postar um comentário